quinta-feira, 13 de setembro de 2018

As casas em Lisboa.

Toda a gente fala dos preços das casas em Lisboa. Estão muito caras. Estão impossíveis. Não se pode alugar uma casa lá. Mas que raio, fui ver, com os meus próprios olhos para perceber o real problema da coisa.
Sim.
Não estão caras, estão caríssimas.
Estão mais caras que em Madrid, muito mais. Em Madrid a oferta é pouca, antes havia muito mais, mas em geral um T1 fica à volta dos 600/750€ já mobilado ou (depende da zona).
Se virmos que os ordenados em Portugal são mais baixos e o custo de vida é mais ao menos idêntico...realmente em Lisboa os preços das casas está muito alto. 

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Pacotes de batatas fritas pequenos?

É muito complicado compra-los aqui, ou melhor encontrá-los e o pior é que eu não consigo perceber porquê. Nos dois supermercados a que costumo ir, não há e um deles é um hipermercado. Existem muitos pacotes de batatas fritas grandes e de todos os tipos de batatas fritas com múltiplos sabores. Agora pacotes de batatas fritas pequenos é que não.

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

O negócio de uma pastelaria aqui.

Aquelas montras fartas das Pastelarias que temos em Portugal cheias de bolos e pasteis em Madrid não existem. Pode haver uma pastelaria que tem meia duzia de bolos de massa folhada e pouco mais, mas aquelas pastelarias portuguesas cá não existem e não teriam sucesso se existissem.

A cultura de pasteis e bolos cá quase não existe. Sair à tarde para tomar um café não pressupõe acompanhar esse café com um bolo. Não têm esse conceito e é por isso que as pastelarias existem, mas são poucas as que têm bolos como os nossos.

Montar uma pastelaria aqui poderia ter os seus riscos, eu sinceramente não sei se arriscaria até porque os meus colegas que já foram a Portugal dizem todos o mesmo "vocês têm tantos doces e pasteis! Vê-se em todo o lado", só isto diz tudo, não?

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Estar de Rodriguez!

Eu ouvia dois dos meus colegas a dizer a toda a gente "Estoy de Rodriguez" e pensava "mas que raio quererá isso dizer?", até que lhes perguntei e a resposta não poderia ter sido melhor.

Estar de Rodriguez é uma expressão espanhola para explicar quando um homem está sem a familia durante uns dias em casa!

Adorei a expressão!
Resumindo, as esposas desses meus colegas foram passar uns dias a casa dos pais e eles estão de Rodriguez!
Fenomenal!

domingo, 26 de agosto de 2018

Na peixaria versão 3.0

Peço à rapariga uma pescada e digo-lhe para tirar-lhe a cabeça e as guelras.
Quando fez isso perguntou-me:
- Vai assim inteira? Já tirei a cabeça e as guelras.
Eu queria a pescada para cozer,
- Parte-ma em dois bocados, disse-lhe eu.
A rapariga vira-se para mim:
- E tiro-lhe a espinha?
Eu respondi "não", mas fiquei a pensar naquela pergunta.
Ora se é só para partir ao meio, como é que ela vai tirar a espinha? Não consegue. Que raio de pergunta sem nexo nenhum, pensei cá para comigo.

Quando cheguei a casa, percebi.


Mas onde é que eu no meu discurso disse que era para me porem a pescada em filetes? Agora percebi a pergunta da espinha, tem todo o sentido. Ir à peixaria aqui é uma aventura, sem dúvida nenhuma. 

Vale a pena ler também outras versões deste post.



sábado, 25 de agosto de 2018

Pastel Crema.

Até poderiam estar maravilhosos, mas pelo aspeto não davam essa ideia.


segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Um país tão lindo com esse lado negro.

A N. foi de férias a Portugal e hoje regressou ao trabalho. Veio direita a mim para me contar o quão maravilhada ficou do rectângulo à beira mar plantado,

"Fomos tão bem tratados, todos tão simpáticos, e a comida? uma maravilha! Eu acho que me vou pôr a aprender Português! Para o ano se calhar voltamos para o mesmo sítio! Adoramos mesmo!"

e depois no final acrescentou,

"Ai Rita, passámos por uma zona onde só havia pinhal queimado, uma área muito extensa, até deu dó, um país tão lindo e depois com esse lado negro na paisagem..."

eu encolhi os ombros, pois então.

sábado, 18 de agosto de 2018

Os horários espanhóis.

O comércio, na sua grande maioria, abre às 10h fecha às 15h para almoço e reabre às 17h.
Os espanhóis almoçam por volta das 14h30 ou 15h e jantam por volta das 21h30 ou 22h, comem alguma coisa às 12h para matar a fome.

Estou cá há 4 aninhos e não me habituo a isto. 
Almoçar às 15h? Jantar às 22h? Está fora de questão entrar num restaurante às 12h para almoçar, vão dizer logo que ainda não estão a servir almoços.

Ahhh! E nada de dizer mal destes horários a um espanhol porque jamais para eles estes horários são maus, o resto do mundo que segue, mais ou menos, o mesmo horário para tudo é que está mal, ok?

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Eu disse Obrigada?

Há situações na vida de uma pessoa, que desejávamos com todas as nossas forças que o chão se abrisse e fossemos "engolidos" por ele assim de repente...
Eu tenho um longo historial em dentistas, não sei se é hereditário, mas na minha familia toda a gente tem problemas de dentes...resumindo passamos a vida no dentista.

Hoje tinha consulta marcada, e a situação exigia que eu fosse vista por uma médica que não conhecia, a senhora muito simpática, explicou-me o meu problema e no final acompanhou-me até à recepção onde só estava a recepcionista.
Despediu-se de mim com simpatia e eu vai e digo:
"Obrigada!"

Ela já estava em modo andamento e eu só pensei "Obrigada? Eu disse Obrigada? Mas que raio me deu para dizer Obrigada Rita? Han?". Saiu-me. Mas nunca me aconteceu. Nunca. Porque tenho o cérebro formatado para falar espanhol, tanto é q quando chego a Portugal os primeiros momentos são o "choque" de ter de mudar o chip para português, com as devidas consequências.
Se tivesse um buraco enfiava-me e não saía de lá. E a recepcionista o que terá também pensado? Que horror! Pareci aqueles emigrantes que para se armarem em engraçados se metem a dizer palavras na sua língua. Nem me quero voltar lembrar disto. Meu Deus.

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Aquele momento em que eu...

...disse a um colega espanhol que uma das piores coisas que eles tinham era o pão e ele respondeu-me "isso é porque tu não conheces boas padarias!".

Nesse momento eu pensei "não vale a pena, é espanhol, tem o melhor pão do mundo" e ficámos por ali na conversa.

segunda-feira, 30 de julho de 2018

Detesto o verão em Madrid.

Detesto o verão em Madrid. É talvez o que menos gosto, se é que posso apontar mais alguma coisa. Mas é muito difícil para mim passar o verão em Madrid, mesmo muito. Primeiro porque está um calor desmesurado...ter temperaturas abaixo de 35ºC é uma miragem. Não se consegue fazer nada, ou porque na rua é impossível, ou porque dentro de casa também é. Segundo porque tenho saudades do mar. Muitas, mesmo muitas. Daquelas horríveis mesmo. Quando vim para cá não era de praia, já o disse aqui, mas Madrid fez-me sonhar com a praia, com o mar, passei a gostar de me sentar na praia e ficar instantes a olhar o mar. Não sei explicar, mas passa-se com mais gente que conheço que está fora e que tal como eu não tem o mar perto. E depois está tudo de férias, o A. vai duas semanas, a B. vai 3, o C, outras 3, nunca está o grupo todo para sair e conviver. É chato. Estou ansiosa por Setembro, por ter toda a gente de volta, por ter temperaturas mais suaves e por tudo voltar ao normal. Estou a contar os dias, mas ainda falta um bocado...

sexta-feira, 27 de julho de 2018

Para onde vão os espanhóis de férias?

Muitos vão para fora e o para fora engloba Portugal, este ano são dois os meus colegas de equipa que vão para Portugal, uma vai para a zona do Porto passar uma semana, outro vai para Coimbra e Lisboa. 
Os que ficam em Espanha, segundo um estudo exaustivo(!) feito por mim, escolhem a mesma zona do mediterrâneo, mais precisamente a zona que vai de Valência a Almería. 
Eu como não conheço a zona de Almería não posso emitir grandes opiniões, mas com a quantidade de gente que conheço que vai para lá, não seria de todo disparatada a ideia de poder andar lá na praia e encontrar alguém conhecido!

sexta-feira, 20 de julho de 2018

Não era a minha planta.


Quando fui de férias estavam cerca de 35.ºC aqui em Madrid, eu tenho uma planta que apresentei ao mundo aqui, e comecei a pensar como seria, a planta ficar enfiada em casa aqui duas semanas. Já me via a regressar das férias e ver a planta toda amarela, ou seja, morta.
Não podia ser, tinha de arranjar alguém que me ficasse com o raio da planta.
Quem? Isso é que era a pergunta do momento......
Deixei-a ao senhor que trata do meu prédio, ele tem no rés do chão algumas plantas que trata e vende.
Falei com ele, no inicio não engraçou muito com a ideia, mas com jeitinho, lá disse que sim.
Fui de férias. 
Voltei. 
Fui buscar a planta.
O senhor apareceu-me com uma planta..........
Eu apeteceu-me dizer "mas o que é que fez à minha planta?", mas em vez disso disse, "a planta não é essa!"
Ao que ele sorriu e disse "É sim, esta é a sua planta"....eu voltei a repetir, "essa não é a minha planta!".....estava verdadeiramente irreconhecível.
Grande, viçosa, linda...tinha crescido uns 5 centímetros...senti-me mal, por tratá-la tão mal...em duas semanas cresceu mais que em quase um ano q está comigo!!
Coitada.  

terça-feira, 17 de julho de 2018

Ir de férias.

Eu não sei se é apenas na minha empresa, mas quando alguém vai de férias, as pessoas despedem-se dela com dois beijos...na minha anterior equipa era assim, na nova é igual e a mim parece-me muito estranho isto.
Não me lembro se nas empresas em que trabalhei aqui em Espanha também era assim...mas para mim não tem grande jeito esta forma de desejar boas férias.

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Último dia de férias.

É hoje! E custa-me muito pensar que amanhã já voltarei ao meu dia a dia normal depois das maravilhosas férias que tive. Por incrível que pareça tenho a sensação que estive de férias mais do que duas semanas, mas não! É sinal que foram bem passadas!
O Fui para Madrid voltará a ter a sua atividade normal de sempre!

quinta-feira, 28 de junho de 2018

Levei comida espanhola, pronto.

Uma vez por semana levo comida e almoço no meu trabalho com os meus colegas. 
Cada um leva o seu almoço e às 14h sentamo-nos uns 5 ou 6 e almoçamos. 
Em geral levo comida portuguesa, ou bacalhau à brás, ou jardineira, ou qualquer outra coisa portuguesa. 
Mas havia uma coisa que acontecia sempre e que eu não gostava nada, mesmo nada, não me perguntem porquê.....os meus colegas faziam sempre suspense sobre o que eu trazia...

"Então Rita o que é que trazes hoje? Que prato português é hoje?"

Não tem mal nenhum, mas eu não gostava. Que chatice esta agora também!
Um dia decidi mudar o esquema. 
Deu-me e levei comida espanhola, pronto! Acabou-se a festa!
Massa com chouriço (sim eles comem isso! e vendem o chouriço ja cortadinho aos pedaços!)
Levei isso, no momento em que comecei a comer, eles olharam e não perguntaram rigorosamente nada, mesmo nada. Mas que maravilha! Porque é que não pensei nisto há mais tempo?

A partir de agora vai ser sempre comida espanhola....apesar de me custar muito, mesmo muito, mas vá, é só um dia!

sábado, 23 de junho de 2018

Chinchón!

Chinchón é uma daquelas terras de que toda a gente fala para ir, por exemplo, num sábado visitar. Tinha na minha agenda fazer-lhe uma visita e assim foi. Fica sensivelmente a 45 km de Madrid.

Chinchón é muito conhecida pela sua Plaza Mayor que, de facto, merece uma visita.


Vista da torre do Relógio para a Plaza Mayor.



Torre do relógio:


E Chinchón é basicamente isto. Estas três fotos. Fiquei um bocado desiludida, porque esperava mais, muito mais. Eu aconselho a visita, mas sem grandes expectativas. Os autocarros de Madrid para lá partem da estação de Conde Casal.

Talvez o melhor programa seja sair de Madrid a meio da manhã e almoçar num dos restaurantes que existem na Plaza Mayor, mas sem grandes pressas, porque vê-se tudo numa hora ou uma hora e meia.

Nota para Chinchón: 2.5 (escala de 1-5)