terça-feira, 14 de novembro de 2017

Quando se está longe.

Vamos a Portugal a correr.
Sempre a correr, porque por mais tempo que estejamos lá nunca é suficiente. 
Nunca é suficiente para comer tudo o que queremos, para ver quem queremos, para curtir a nossa casinha, para sentar em frente à televisão e vegetar a ver os novos programas, os novos apresentadores. Para correr atrás do cão ou do gato, para lhes dar um pouquinho de atenção, para meter a conversa em dia com a nossa família mais próxima, para vermos os amigos, os amigos dos pais, os conhecidos, aqueles que já não víamos aos anos. Para andar pelas nossas "terras", pelos caminhos que antes percorríamos diariamente e que agora já não, para nos sentarmos numa esplanada e ver como as coisas mudaram desde que fomos embora. Para pegar no carro e ir dar uma volta, para falar e falar e falar sem nunca parar num idioma que não nos mete entraves, para pôr a aparelhagem em altos berros e ouvir as músicas portuguesas à vontade, para mexer e remexer nas coisas que temos guardadas, para folhear as revistas portuguesas e ver que há lá muita gente que já não conhecemos.

Para....tanta coisa que há para fazer, tanta, tanta...e nunca se faz nem metade. 

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

¡Voltei ao dentista!

Depois disto (que nem terminei de contar aqui porque fiquei tão farta de dentistas que nem queria ouvir falar em boca, dentes e tudo o que daí advém), ando desde agosto para marcar uma consulta no dentista para fazer uma revisão....marquei, fui hoje.

O médico que me acompanhava passou a cirurgião e tive consulta com outro. 
Entrei no consultório, cumprimentou-me, mandou-me sentar, leu o meu nome completo em voz alta (adoro!) e no final,
"És portuguesa?"

Fiquei logo á vontade! Acabou! A consulta por mim até podia ter acabado ali!

É a melhor pergunta que me podem fazer quando não me conhecem. 
Simpatizo logo com as pessoas que me perguntam isso!
Ainda por cima agora Portugal está na moda! 

E porque é tão importante para mim a outra pessoa saber que sou portuguesa? 
Primeiro, porque vai ter mais paciência a tentar perceber o que digo e também ao explicar fa-lo-á de uma forma mais pausada e segundo porque para mim, eu saber que a pessoa sabe, retira-me uma carga psicológica muito grande, já posso dizer que não sei bem explicar, já posso dizer "não sei se percebeste o que quis dizer?", sem ficar minimamente complexada...dá que pensar isto, mas a verdade é que me acontece mesmo.

domingo, 5 de novembro de 2017

Quando eles não têm o "culto" das pastelarias...

...é complicado uma pessoa encontrar um sítio para lanchar.
Porque aqui só há tapas e mais tapas e torradas com azeite e tomate. Se uma pessoa quer tomar um chá e comer um pastel, não tem onde. Se por outro lado quiser tomar um chá com uma torrada é melhor não cair na tentação de pedir uma torrada, porque a torrada é com pão de forma e vem fria e como se não bastasse vir com manteiga ainda vem com doce para a pessoa barrar.
É impressionante isto.

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Creme verde com pevides.

A M. estava toda orgulhosa de ter trazido sopa para o almoço. 
Eu não conseguia perceber o porquê de tanto orgulho. Ela gabava-se a todos "hoje trouxe sopa para o almoço, olha aqui que bom aspecto tem!". 
Aquilo não era sopa, era creme, tudo moído e verde. 
Mas eu sentada à sua frente observava toda aquela situação, calada.
Até que de repente, a M. saca uma caixinha pequena das suas coisas e começa a deitar pevides, daqueles que comemos quando vamos ao futebol, já descascados na sopa.
"Assim vai ficar muito mais saborosa", e deitou uma boa quantidade daquilo.
Creme verde com pevides...mas que rica 'sopa' deve ter ficado! Não haja dúvida! 

Eu juro que tenho vontade de abrir uma escola de cozinha e colocar esta gente toda a aprender a fazer uma sopa decente, porque aquilo não era sopa nenhuma, só faltou lá um pimento, às tantas até lá estava moído!

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

O meu vizinho de cima.

Tive um dia horrível no trabalho, daqueles que uma pessoa deseja chegar a casa e não ver ninguém nem ter de falar para quem quer que seja. Quando estava a abrir a porta do meu prédio, ouvi alguém perto a mexer numas chaves, nem me dignei a olhar, abri a porta, entrei e segui em frente. Atrás de mim entra uma pessoa...eu olhei para trás e vejo o meu vizinho de cima que me cumprimenta, ao que eu respondi entre dentes com um "Hola".
Nisto já pensava que teria de ir com ele no elevador....que chatice, Meu Deus!
Não estava com paciência para meter conversa nem nada...
Saí no meu andar, despedi-me dele e entrei em casa. 
Estava a tirar o casaco quando ouço alguém a descer as escadas do meu prédio a correr e a vir tocar-me à campainha, vou a ver, é ele, outra vez! 
Mas o que é que ele quer agora? Abro a porta...

"Olá, eu sou o teu vizinho de cima e queria dizer-te que sou músico e bailarino e que às vezes ensaio aqui em casa, por isso se alguma vez não tiveres paciência para me ouvires ou não te apetecer mesmo, podes ir bater à minha porta e dizer-me, que não há problema nenhum, é normal."

Eu contive-me, mas deu-me imediatamente uma vontade horrível de rir-me por isto e isto! Mantive-me séria e bem disposta:

"Ah pois já tinha notado algo, mas não há problema nenhum!!" (o que é que havia eu de dizer, né?!), "Tá descansado", e aproveitei e apresentei-me não vá ser necessário alguma vez pedir-lhe ajuda para algo, "já agora, chamo-me Rita, se precisares de alguma coisa...", ele vai e diz "eu sou o Julian" e cumprimentou-me com dois beijos.

Depois disto, tudo fez sentido.
O sapateado, as canções que canta a alto e a bom som, o violino, tudo!
Ficou só por perguntar onde é que ele dá os espectáculos para eu la ir ver...mas de certo que não faltarão oportunidades! Estou a gozar, obviamente!

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Só para esclarecer a situação.

Na semana passada andei 2 ou 3 dias a ver o Telejornal dos canais portugueses. 
Sempre que falavam na Catalunha e nesta grande confusão que para aqui vai eu fiquei com a sensação de que os nossos repórteres davam a ideia que na Catalunha toda a gente queria a independência.

Nada disso, aquilo é ela por ela.
Eu senti-me na obrigação de vir aqui aclarar isto, para todos aqueles que tal como eu também ficaram com essa ideia.
E, muito sinceramente, já não suporto ouvir falar desta temática que está longe de ter um fim.

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Casa Labra.

Aparecia em praticamente todos os livros turísticos de Madrid.
Toda a gente me perguntava se já tinha ido comer umas "coisas" de bacalhau muito boas.
Eu sempre que passava pelo sítio, dava-me preguiça e não entrava.
Hoje fui tratar deste assunto pendente!

Comi os tajados de bacalhau (bacalhau frito panado) e as croquetas de bacalhau.



Tajado de bacalhau e croquetas de bacalhau

 O óleo que o tajado tinha é notório no guardanapo.

Para dizer a verdade, não gostei muito, primeiro da quantidade de óleo que os tajados tinham e depois não achei nada de especial....mas lá está, nós portugueses somos especialistas em bacalhau...né?
Em Portugal, esta tasca, era bem capaz de ter os dias contados.

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Aquele momento em que vou ao supermercado...

...e a empregada que me atende na caixa faz uma grande festa quando me vê. Ainda pensei que fizesse com todos, mas não. Com a senhora a seguir a mim manteve-se séria.  E verdade seja dita eu vou sempre para ela porque sempre a achei simpática.
Por acaso, fiquei contente...até parece que já pertenço a isto aqui!

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Quando digo que sou Portuguesa...


- "Eu gosto muito é dos pasteis de Belém".
Mas que pasteis de Belém? O que eles aqui têm são pasteis de nata...mas estão sempre a dizer que são de Belém e eu estou saturada de ouvir tanto isto que já nem me dou ao trabalho de explicar.

- "Não sei como é que vocês ganharam o Europeu de futebol com a equipa que tinham e da forma que jogaram". 
Já passou 1 ano e eu continuo a ouvir isto com muita frequência. Não respondo, mantenho-me em silêncio a gozar o momento. Não sabem? Temos pena, a verdade é que ganhámos!

- "Não sei como é que vocês gostam de fado".
A lógica é: és português então gostas de fado. Quem não gosta de fado não é português ponto final, parágrafo. Todos têm de gostar. Acabou!


Estou sempre a ouvir estas 3 frases, sempre. Até farta. Eu percebo que queiram ser simpáticos, mas sejam mais criativos, digam algo que eu ainda não ouvi!

terça-feira, 17 de outubro de 2017

O Domingo, 15 de outubro de 2017.

Desde pequena, que sempre no verão, um dos rituais da familia era ir à Nazaré, São Pedro de Moel, Leiria, Marinha Grande...., percorrer essa zona e fazer um piquenique. Foram, portanto, várias as vezes que percorri o pinhal de Leiria, ora de passagem, ora para fazer o tal dito piquenique. Eu olhava para aquela vasta extensão e maravilhava-me (ainda em pequena). Com o passar do tempo comecei a perguntar-me como era possível aquela área manter-se ali intacta, sem incêndios.

Situação idêntica, na zona da praia da Tocha, onde uma vasta área de pinheiros, muitos, muitos pinheiros, faziam as delicias de quem queria ir fazer um piquenique em familia. Até dava gosto. Eu todos os anos em setembro ficava aliviada por termos chegado ao final do verão e não ter ardido e pensava cá para mim, "este ano já não é" e quando chegava o verão no ano seguinte, voltava novamente a preocupação de um possível incêndio.

No domingo passado, 15 de outubro de 2017 acabou-se tudo. 
O Pinhal de Leiria e a zona da praia da Tocha arderam, no mesmo dia.
Ainda me custa a acreditar que não mais voltarei a ver aqueles pinheiros tanto num lado, como no outro, aquelas extensões de verde e mais verde, aquele cheiro a natureza.
Nunca mais...talvez daqui a uns 10 ou 20 anos, nem sei...

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Agora que a Catalunha vai deixar de ser de Espanha....

...Portugal e Espanha podiam-se juntar e formar um novo país!

Estávamos a fazer a nossa pausa matinal quando um colega meu disse isso!
- Já pensaram na selecção de futebol que íamos ter? Ganhávamos os mundiais e europeus todos!, acrescentou outro e os restantes todos com um sorriso estampado na cara.
Eu desatei a rir!

Era o que faltava também agora!
Ainda ficávamos como eles, a falar aos berros e a comer tudo frito e cheio de óleo, credo!...
Há coisas que é melhor nem imaginar!

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Paste de Nata.

Não sei qual será pior, se o aspecto dos pseudo pasteis de nata, se o erro ortográfico no nome dos ditos cujos!



sábado, 30 de setembro de 2017

Amanhã, o dia do referendo na Catalunha.

As bandeiras de Espanha predominam nas ruas e varandas das casas em Madrid.
As manifestações também.
Amanhã será um dia muito complicado em Espanha que eu não sei bem como terminará por causa desse Referendo da independência da Catalunha.

Às vezes dizemos mal disto e daquilo, mas já alguém pensou se agora a região do Douro quisesse a independência? E andasse com referendos? E com tribunais?

É preciso ter muita paciência mesmo para aturar estas doideiras...



quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Como está o Salvador Sobral?

Noutro dia perguntaram-me 3 colegas meus.
Ontem foram outros 2.
Um deles chegou a dizer que ele devia ter vindo para Espanha, porque segundo ele, o país de nuestros hermanos é o líder mundial de transplantes...eu ouvi aquilo e pensei "tá bem tá".

Fui ver e é mesmo verdade!
Espanha, líder mundial de transplantes

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Referendo na Catalunha?

Não vejo os noticiários espanhóis.
Não tenho o hábito de comprar jornais.

No trabalho, fala-se de tudo, mas a indiferença a temas relacionados com a Catalunha impera.
O mesmo acontece a nível de futebol, se ganham não se dá grande importância, se perdem igual...já se for o Real ou Atlético de Madrid a história é outra...

Os espanhóis que conheço, visitam muitas zonas de Espanha, quer em férias, quer durante o fim de semana, mas a Catalunha não é quase nunca uma das escolhidas. Barcelona existe sim, mas os conselhos que me dão, quando pergunto o que devo visitar no seu país, não incluem, normalmente, Barcelona ou a zona da Catalunha.

Por isso, quando noutro dia o meu pai me perguntou:
"Então o que é que se anda a passar aí que ninguém se entende?", referindo ao referendo e à confusão que para lá vai, eu não sabia o que dizer, porque eu tal como os espanhóis que me rodeiam não ligo muito ao que se passa lá...talvez já seja mais madrilena do que realmente pensava que era.